IFRS 17 Por que Você Deveria Começar agora?

Por Jorge Casseb

O IFRS 17 não é apenas um conjunto de novas regras que irão adicionar mais detalhes a sua forma de gerir os produtos e formas de apresentar os resultados.

O IFRS 17 veio mudar praticamente todo o seu sistema atual.

 

Isso significa que muita coisa vai mudar em conceito e no seu sistema operacional, deixar para depois é exatamente trocar o pneu do carro com ele andando, não vai dar certo!

 

Lembre-se que em 2023 o seu resultado será apresentado em IFRS17, entenda melhor essas dificuldades.

Vou tentar ilustrar, brevemente, que todo o conceito mudou, agora ao invés de olharmos o histórico da empresa para análises de resultado, o IFRS 17 avalia as probabilidades de ganhos e perdas nos contratos atuais, dando uma visão de resultados futuros esperados. E é aqui que temos as consequências desse conceito, se vamos avaliar os contratos individualmente esperando um resultado futuro, estamos falando de cálculos atuariais por contrato, e na nova regra esses cálculos poderão ser otimizados pelo seu atuário.

É nesse ponto que vemos a complexidade da escolha, existe a possibilidade de agrupamentos “personalizáveis”, ou seja, a empresa escolhe a complexidade dos agrupamentos, Agrupamento é denominado de Unit of Account, UoA.

Significa que não precisa agrupar um produto apenas, e sim uma série de produtos por similaridade de riscos. Essa mudança é importante porquê é através desses UoA que poderá ser medido a performance de áreas da sua empresa alterando diretamente o resultado esperado.

Aprofundando mais um pouco, o UoA é “granulável”, o que aumenta a complexidade, veja o gráfico a baixo.

Dentre as vantagens de fazer uma estrutura granulada e heterogênea, com diversos agrupamentos, há a diversificação, já que você pode (e deve) correlacionar suas várias UoA e assim alocar o Risck Adjustment menor para o seu passivo, Isso acontece quando se agrega aos cálculos atuariais a cada uma das UoA na mensuração em Entity Level.

Porém, temos aqui o trade-off, quanto menor a quantidade de UoA menor será os benefícios de correlação na carteira, mas irá facilitar o trabalho de gerenciamento.

O sistema de gerenciamento é outro fator importante na mudança, quanto maior for a quantidade de produtos e contratos, quando escolher por maior granularidade maior será a complexidade do seu sistema.

Já dissemos que todo o processo se passa por cálculos atuariais, mas importante lembrar, que depois serão “fechados” pela contabilidade. O seu sistema de gerenciamento, de preferência deve fazer isso automaticamente e são poucos softwares com essa capacidade, tanto os softwares com a capacidade ou sem, devem ser tratados como investimento porquê vão requerer muito tempo de treinamento para os novos conceitos, muito tempo de aprendizado de operacionalização e os investimentos.

Assim que escolher um sistema operacional, e precisará um tempo para decidir o melhor para você, precisará fazer diversas simulações para entender qual são os melhores métodos de cálculos, quantidades de UoA, nível de granularidade, níveis de correlação entre as UoA, determinar o tamanho do Risck Adjustment, escolher a abordagem quando tratar da transição dos contratos antigos (tema do meu artigo anterior).

Não gostaria de me tornar repetitivo, mas essa complexidade que eu abordei de forma superficial, indica que quem começar a se preparar hoje já está em cima da hora.

Jorge Casseb é Gerente Comercial de Vendas na Company Prime
Contato: jorge.casseb@companyprime.com.br



Fale Conosco pelo WhatsApp